Fuga

Todos nós, quando enfrentamos situações desagraváveis, temos uma válvula de escape. Uns usam drogas, licitas ou não. Outros ouvem música. Leem. Há muitos lugares pra onde fugir.

A protagonista do filme da BaruchFilms escolheu o video game.

Vítima de um lar em discórdia e discriminada pelos colegas, ela se fecha em seu mundo de fantasia de tal maneira que prejudica seus estudos. Tudo que ela quer é silenciar o que a cerca.

A distração e fuga(psicólogos falaram melhor sobre isso, não eu) diferem em quanto da sua vida você está perdendo. O quanto o protelamento do embate dos conflitos reais, afeta seu convívio social e familiar.

É bom ver que um simples fanfilm evoque tão bem esse sentimento como Escape. Que diferente de outros do gênero massa véio(como diria o Rodney do MdM) impacta com seu tema e linguagem.

Lembrei de um discurso muito motivador, nesse sentido.

É preciso estar atento ao que te incomoda e fazer com que não incomode mais. Sem fugir. Quanto mais cedo enfrentarmos nossas lutas, melhor.

Tá muito auto-ajuda essa joça!

Vamos animar!

Fonte IGN.